Papo de mulher: Parei de tomar anticoncepcional

pílula

Nota antes de começar a ler: Quero deixar BEM claro que esse não é um post aconselhando NINGUÉM a agir como eu, mas a refletir sobre efeitos colaterais dos remédios em geral e a procurar ter uma vida mais saudável, feliz e equilibrada. Como o propósito desse blog é compartilhar experiências, essa é a minha visão sobre o assunto e minhas atitudes foram tomadas de forma racional, pesando prós e contras e, para mim, tem funcionado, mas cada caso é um caso. Consulte sempre um médico de confiança e faça exames regularmente 😉

Pois é, senta que lá vem a história… Há 8 anos tomo anticoncepcional. Iniciei aos 18 anos para controlar o ciclo menstrual – que nem era tão desregulado assim – e também para tratar a acne, que já tinha me deixado boas marcas. Comecei tomando o Yaz, um dos mais modernos (era o que se dizia na época, por conter baixas doses de hormônios) e o tomei por 1 ano e pouco.

Com o tempo percebi primeiramente 2 coisas: eu tinha engordado (nessa época não liguei, pois estava realmente muito magra, mas como referência, eu passei de sutiã P para G em poucos meses) e meus sintomas pré-menstruais ficaram mais intensos.

Reclamei sobre isso com meu médico da época, que trocou o Yaz pelo Yasmin, seu “irmão” com quantidades de hormônio diferenciadas. Também fiquei apenas alguns meses e os sintomas não melhoravam, a sensação pré-menstrual era muito ruim: muita sensibilidade, mau humor, inchaço, irritação etc. Troquei novamente de marca e fiquei aproximadamente 2 anos tomando o Tâmisa 20. Ele me deu bem poucos efeitos colaterais na TPM e me equilibrou durante o mês, MAS aí perdi a mão com o peso e engordei ainda mais (claro que não sou ser hipócrita e dizer que foi só o remédio, porque o stress da época da faculdade também ajudou).

Além disso notei, refletindo hoje, que eu já tinha começado a apresentar alguns traços depressivos: muita insegurança, brigas com o ex-namorado, tristeza, baixa auto estima e libido baixa. Procurei um outro médico e relatei o problema. Adivinhem qual foi a solução? (Na época eu não tinha feito pesquisas e nem me toquei na gravidade dessa proposta, mas enfim…) “Vou trocar seu remédio, mas caso não funcione, você volta pois vou te receitar antidepressivos” – foi o que o médico disse. Pensem comigo, por que tomar um remédio pra consertar o problema que o outro causou? Claro que aqui não estamos trabalhando com certezas, mas usando meu bom senso e me avaliando bem, posso dizer que estou quase certa que meu problema não era/é para “conserto” com antidepressivos.

Passei a tomar o Belara, que fiquei tomando até o mês passado. Confesso que a libido melhorou por algum tempo, mas o término do meu namoro fez a cabeça piorar. Em meses eu também tive uma crise depressiva por conta disso e foi quando eu desisti de tentar me entender e parti para a terapia.

Foram 2 anos e alguns meses direto de psicoterapia: individual e em grupo. Claro que isso me ajudou a me conhecer MUITO mais e continuo achando que todo mundo devia fazer por algum tempo, mas a sensação de tristeza e deslocamento no mundo nunca melhorou. Continuei o remédio nesse período mesmo sem ter um relacionamento fixo, por hábito e comodismo mesmo, afinal, saber o dia exato da sua menstruação e ainda controlar se quer ou não menstruar naquele mês é uma “bênção”. Até que você para pra avaliar, como eu fiz, que essa “bênção” acaba te transformando em uma pessoa que você não conhece mais, com um corpo totalmente controlado por hormônios sintéticos, o oposto da palavra natural. Você acaba notando que na verdade não são as pessoas ao seu redor que são complicadas, idiotas ou o que seja que te atrapalhe, mas seu bom senso e seus sentimentos é que estão afetados, por um monte de outros sentimentos que seu corpo e mente criam para tentar estabilizar aquele turbilhão de coisas dentro de você.

Eu passei meses tentando explicar essa sensação na terapia: “Me sinto aqui, mas é como se meu corpo e minha mente vivessem em espaços diferentes, em planos diferentes. Estou aqui, mas não estou. É como viver com 2 pessoas, mas não conheço nenhuma das duas”. Minha terapeuta nunca conseguiu decifrar bem essa informação, achava que era por algum motivo externo que me incomodava, mas sempre fiquei com a sensação de “não é isso”.

Mesmo sabendo de disso e sentindo tudo isso, não foi assim que resolvi me libertar da pílula. Outras situações chatas por conta dessa mudança de personalidade foram acontecendo, inclusive numa crise de imunidade baixa, tive problemas ginecológicos “sem explicação” e parte dele foi resolvida simplesmente parando de tomar a pílula por 1 mês.

Mas foi mesmo em fevereiro de 2016 que eu me toquei o que estava fazendo comigo mesma: me envenenando. Como engordei muito nesses últimos anos, acabei adquirindo gordura no fígado e procurei um endocrinologista para me ajudar. A médica me passou alguns remédios pra eliminar a gordura do corpo, para ter menos absorção de carboidratos e revitalizar o funcionamento do fígado. Aproveitei a oportunidade e disse que meu problema maior eram os doces, que exagerava sempre por conta de stress e ansiedade.

Ela então sugeriu e colocou na fórmula do remédio algo para me “deixar tranquila”. Ela me prescreveu dois ansiolíticos, um deles bem conhecido. No momento não pesquisei a respeito (também não fui informada de efeitos colaterais) e simplesmente fiz o remédio e comecei a tomar os comprimidos 2x ao dia em uma quinta-feira. Com 4 dias de tratamento, ou seja, domingo, eu passei TÃO MAL que pensei que fosse morrer. Exageros à parte, mas eu estava completamente drogada: pupilas dilatadas, suor excessivo, agitação, tremores pelo corpo inteiro e de forma involuntária etc. e pra completar, o que era pra me acalmar me deixou 10x mais irritada e angustiada. Foi realmente uma situação muito ruim, preocupei amigos e familiares (e inclusive a mim mesma) e não consegui trabalhar no dia seguinte. Fiquei completamente sem sono ou fome.

Com isso tudo, comecei a fazer uma pesquisa profunda (além de perguntar para amigos que fizeram uso do mesmo remédio) e descobri que tomei uma dose super elevada de um dos componentes para quem estava começando. Aliás, é um ansiolítico para quem realmente tem uma ansiedade crônica e diagnosticada e não quem só se estressa e come por “esporte”. Algum fitoterápico ou homeopático provavelmente resolveriam meu problema. Fiquei revoltada e arrasada ao mesmo tempo. Procurei muita informação sobre os efeitos colaterais dos remédios e inclusive encontrei na bula que “pensamentos depressivos e suicidas” eram um dos efeitos possíveis.

Fiquei um dia lendo sobre os efeitos colaterais no cérebro ao usarmos esses remédios e acabei por pesquisar os efeitos colaterais no cérebro causados pelo anticoncepcional. Além de alguns efeitos graves e, que segundo meu atual médico “todas correm esse risco” como trombose, AVC e embolias, agora tinha mais alguns efeitos que não vem na bula: mudanças comportamentais, no cérebro e depressão.

Fiz um post no Facebook esses dias com base em um artigo publicado pelo G1 justamente falando sobre esses efeitos que a bula não diz e me surpreendi com a quantidade de amigas que diziam ter abandonado a pula pelos mesmos motivos que eu queria e outros mais.

Alguns também foram ignorantes (com o significado de não terem o mínimo conhecimento do assunto para opinar), achando que porque decidi parar com a pílula eu automaticamente estava assinando um contrato de gravidez com o universo e que eu não devia fazer isso em plena crise financeira e de vírus como dengue e zika [?]. Fiquei triste por 2 motivos: um homem achar que é responsabilidade unicamente da mulher se proteger e que homens não tem a mínima noção dos efeitos de uma TPM ou dos anticoncepcionais. Isso sem falar que essa pessoa em específico disse que a camisinha não era segura por que “rasga”. [?]

Deixando essas coisas de lado, fiquei muito feliz de uma maneira geral porque mais gente se interessa em se cuidar, em deixar o corpo seguir o fluxo natural dele, em encontrar outros métodos anticoncepcionais que não alterem tanto nosso humor, peso e mentes. Como disse lá em cima, não vou incentivar ninguém a fazer o mesmo que eu, mas torço para que cada um faça sua própria pesquisa, encontre jeitos mais saudáveis de se prevenir ou então, se o desejo for tomar, que preste mais atenção nas necessidades do próprio organismo, inclusive identificar se algo está bom ou ruim. Ah, e claro, antes de começar a tomar, pedir ao médico exames específicos para saber se você já não tem problemas que possam ser agravados com a pílula.

Como não tenho uma relação fixa, ainda não incluí nenhum outro meio de prevenção de gravidez à lista, mas quero estudar e encontrar soluções eficazes e com menos problemas para o meu equilíbrio e corpo. Já fiz alguns estudos sobre o DIU de cobre e meu atual médico disse que é uma boa opção, mas que ele mesmo faz questão que eu faça um curso e ouça sobre os prós e contras desse método.

Bom, tudo o que eu posso realmente dizer com esse post é: se observem, não se deixem envenenar por mil remédios, – principalmente por aqueles que nós mesmos inventamos de tomar – se alimente adequadamente, viva intensamente e com vontade, esqueça o passado, procure meios mais saudáveis de viver e, tente rir mais, porque esse sim é o melhor remédio.

21 comentários sobre “Papo de mulher: Parei de tomar anticoncepcional

  1. Parei de tomar não faz nem um mês, comecei por causa das espinhas, tomei por uns 5 anos, estou com medo das espinhas voltarem com tudo, e provavelmente vão, mas não quero depender de hormonio sintético a vida toda, todos os dias, obrigada por compartilhar sua história.

    1. Oi Lais!
      É, infelizmente as espinhas me encontraram. Vou atualizar os posts incluindo esse processo, estou fazendo um tratamento com remédios e produtos, começou a melhorar, mas foi um período chato. Mas realmente é muito ruim depender de hormônios sintéticos =( O ideal é ir controlando alimentação e beber bastante água =)

      Beijos

  2. Olá bom dia! Parei de tomar yaz a alguns meses (quase um ano) e engordei muito sem mudar a alimentação e a rotina de exercícios. Oq eu faço? É normal? Obrigada

    1. Oi Márcia, tudo bem? Então, você já fez seus exames de rotina pra saber se está tudo certo? Você pode tentar ir a um endocrinologista, pode ser alguma coisa de tireóide, por exemplo. No meu caso, eu engordei tomando e depois que parei de tomar, mas estava tudo normal, apenas o metabolismo que ficou lento mesmo =( Dei uma forçada nos exercícios e alimentação e agora já está melhorando. Espero que tenha ajudado, beijos.

        1. To com o mesmo problema. Parei de tomar yaz e to engordando mto! Mesmo com dieta.
          Não volto a tomar ele pq esse remédio me deixa uma pessoa q eu nem conheço, de tão transtornada q fico. To perdida… aumentando o peso e a estabilidade emocional/ psicológica ainda não voltou a ser como era Antes!!! Faz 1 ano q parei, usei por 5 anos.

          1. Oi Vanessa!
            Pois é, eu só percebi que tinha me transformado em outra pessoa quando tive uma crise muito ruim e olha, demora pra passar essa sensação viu? Agora já fez mais de um ano que eu parei e ainda tenho alguns picos estranhos. Eu tomei por 7 anos, mas nunca mais quero tomar =( pra mim faz muito mal!

            Torço pra que você também fique bem logo =D

  3. Acho que o meu comentario não foi 🙁
    Sabe, o seu texto caiu do céu pra mim.. Comecei a tomar pilula há mais ou menos dois anos, e só há uns meses, por conta do tanto que se tem falado sobre os riscos de fazer uso dela, é que comecei a me observar e a associar muitas coisas que eu estava sentindo (ruins) ao uso da pilula, porque eu já estava começando a me acostumar, achando que “ah, tá no final da cartela, deve ser tpm” “ah, tá perto de chegar o final da cartela, tpm deve ter vindo antes”. Mas ultimamente tem ficado insuportável. Já tive depressão, e estou me vendo viver muitos dias aleatórios do mês, com a mesma tristeza que sentia, porém, com muita paranóia. Vc acha que a pilula pode ser mesmo responsavel por essa “montanha russa” de emoções? E olha que quando pedi uma pilula pra minha ginecologista, pedi a de menor dosagem.
    Eu só tomo essa merda porque namoro..
    E a minha segunda pergunta é: vc acha que se prevenir (por enquanto) apenas com camisinha, é um risco tão grande assim? Que nos obrigue a ter que tomar pilula caso não possamos fazer uso de algum outro método? (DIU, vou ler tudo!!!! Obrigada! Hahaha)
    De novo, muito, muito obrigada por compartilhar a sua experiencia. Me sinto com mais esperança agora, rs.
    Mil beijos! 😘

    1. Oi Larissa, que bom que se sentiu acolhida. Vamos lá: Sim, eu responsabilizo quase 100% a pílula pelas minhas “disfunções” psicológicas: depressão, ansiedade, bipolaridade…fora os fatores físicos, né? Baixa líbido, por exemplo. Além de dores nas pernas etc. Eu já vou completar 1 ano sem ela e ainda tenho sintomas, acredita? Meu ciclo não está 100% “limpo”, eventualmente ainda sinto algumas coisas que acredito ser uma espécie de abstinência (afinal eu tomei 8 anos praticamente sem interromper). Agora sobre a proteção, a camisinha tem um fator de risco praticamente igual ao da camisinha, logo, se você não usa tomando, ao parar de tomar e usar camisinha dá quase elas por elas. Eu não namoro desde que parei, mas me previno apenas com camisinha mesmo. Se eventualmente começar a namorar, penso em colocar DIU pra ter uma proteção a mais, mas não vou parar de usar camisinha – afinal, a responsabilidade não é só nossa, né? Além de prevenir dezenas de outras coisas =) Espero ter ajudado! Super beijo!

  4. Muito muito obrigada pelo feedback! Estava indo para a segunda semana dessa cartela, mas vou parar desde já. Próx consulta no médico já vou me informar sobre o DIU.. Espero que vc fique liberta 100% desses sintomas logo!! Vai dar tudo certo, a sua parte vc já fez :). Beijo beijo :***

    1. Muito obrigada pelos votos <3 Também espero que você encontre a melhor maneira e que chegue num consenso com seu médico =D Depois, se der, me fala se deu tudo certo, tá? Beijos!

  5. Eu tomo anticoncepcional injetável perlutan e emagreço, não engordo mesmo malhando tomando hipercalórico, estou querendo parar, já estou com 30 anos tenho 1,70 de altura, será que consigo engordar parando o anticoncepcional?

    1. Oi Valquíria! Obrigada pelo seu comentário!

      Então, geralmente os anticoncepcionais só ajudam na tendência a engordar, nunca ouvi casos de quem de fato, não conseguisse engordar. Eu mesma engordei cerca de 10kgs durante o uso. Talvez parar te ajude em outros aspectos, não sei se você quer ser mãe no momento ou só quer se livrar dos hormônios mas acho que o ideal mesmo é você consultar um endocrinologista 🙂 E sempre o seu ginecologista também!

      Beijo

      1. Não pretendo engravidar, mais parei com o anticoncepcional tem 15 dias,ficou descendo uma borra de café, mais não desceu sangue, e saiu parecendo alergia no meu maxilar horrível, não pretendo voltar a tomar anticoncepcional, estava tendo muito mal estar, dor de cabeça e palpitações tomei por 12 anos, vamos ver se agora eu engordo com os meus próprios hormônios.

        1. Oi Valquíria, no início é assim mesmo, tudo meio estranho. Demora alguns meses até estabilizar. De qualquer maneira, vá acompanhando os sintomas com um médico, tá? Beijo

  6. Nossa me vi totalmente nesse post .. parei de tomar anticoncepcional (injetável) a 9 meses e coloquei um diu .
    Eu estava me sentindo muito deprimida ansiosa com pânico e engordei horrores, eu não era mais eu estava perdida em tempo e espaço, meu corpo e mente não andavam mais juntas era como só meu piloto automático funcionasse quando eu falo isso ninguém entende oq eu quero dizer isso me deixava pior ainda pois achava que estava totalmente louca.
    Procurei meu ginecologista e ele riu de mim dizendo que isso não tinha nada haver com os anticoncepcionais que era só meu organismo que tinha parado de produzir hormônios e estava “viciado” em hormônios do anticoncepcional ele falou isso como se fosse super normal ..
    Infelizmente ainda estou me sentindo da mesma forma não sei se ainda há vestígios de veneno dentro de mim que está causando isso só sei que nunca mais eu tomo não tô muito feliz com o diu também pois estou sentindo muitas dores mesmo sem estar menstruada e o fluxo de sangue é demais.
    Espero que eu melhore naturalmente sem remédio nenhum pois não procurei nem vou procurar mais médico pois eles vêem com um monte de veneno pra te deixar “melhor ” que só faz piorar .

    1. Poxa Laís, que triste ler isso. Se te consola, eu me sentia da mesma forma. Achava que estava ficando louca com a sensação de não me reconhecer, tipo, perdi o vínculo total comigo mesma, era horrível.
      Infelizmente demora mesmo, acho que só depois de 1 ano posso dizer que to BEM, sabe? Você colocou qual DIU? O de hormônios ou sem? Na dúvida, procure opiniões de outros profissionais, tá? Temos que sempre buscar o que é melhor pra nós e alguns médicos ainda usam metodologias bem antiquadas, principalmente no tratamento hormonal.
      Mas força viu? Com o tempo você vai melhorar!

      1. Eu coloquei o diu de cobre em fevereiro desse ano mas não tô gostando não além das dores e fluxo constante sinto muitas tonturas por estar perdendo tanto sangue passo 10 dias menstruada e além disso está machucando meu marido 😐🤔 o pior é o médico dizendo que é totalmente normal é isso é chamado de ” A grande volta”

        1. Nossa, eu não ia achar isso NADA normal. Como disse, talvez seja melhor você reavaliar com outro médico. Você fez o ultrassom pra saber se o posicionamento está correto? E seu fluxo já era intenso antes? Porque DIU de cobre aumenta o fluxo e cólicas mesmo. Em resumo, se fosse você procuraria uma segunda ou terceira opiniões =/

          1. Sim fiz a ultra está tudo certinho acho que sou eu que não estou me dando minha experiência não está sendo boa .. vou trocar de médico é o melhor que eu faço kk
            Obg pela atenção você é muito atenciosa isso
            é ótimo pois sinto-me conversando com uma
            amiga 😘😍

          2. Ah, nesse caso então melhor coisa que você faz mesmo é procurar outras opiniões 😀
            A gente fica com medo de “reclamar” e acaba aceitando tudo como verdade, mas quando não estamos bem, tem que melhorar de alguma forma =D

            Que isso =D
            É bom saber que não estamos sozinhas, né? Quando comecei todo esse processo, me sentia muito maluca, mas é muito comum e precisamos nos apoiar 😀

            Quando passar em outro médico, dá um toque aqui =D Quero saber se está bem!

            Beijão ;*

Deixe uma resposta