Sobre o medo

medoToda vez que penso sobre o medo, percebo que ele é um sentimento que tem 2 faces: o medo que nos protege e os que nos paralisa, e a linha que os separa é tão estreita quanto a do amor e o ódio.

Medo é um sentimento que nos acompanha desde o nascimento. Aquele que temos do desconhecido quando somos retirados da barriga das nossas mães, onde tudo era conhecido e familiar. Depois somos acompanhados por esse medo em muitas outras situações até a fase adulta: primeiro dia da escola, do emprego, da faculdade etc. Esses são medos infundados, do desconhecido, da mudança. Ele é mais parecido com um desconforto – e geralmente passageiro – e não nos paralisa, apenas nos deixa mais atentos. Acredito que além de normal, é até saudável sentir esse tipo de medo, já que ele normalmente acompanha situações de evolução e conquista.

O que me preocupa mesmo é o medo que paralisa, principalmente quando é justamente nesses situações que deveríamos apenas ficar alertas.

Sei que às vezes, quando coisas ruins acontecem com a gente com frequência, ficamos com tanto medo que aconteça de novo, que até paramos de “viver” como forma de nos proteger. É exatamente isso que me preocupa, me preocupa porque já aconteceu comigo e foi péssimo.

Quando comecei a fazer terapia, lá no final de 2013, estava tão paralisada que me sentia morrendo por dentro. Eu tinha terminado um relacionamento longo e estava com uma bagagem tão pesada de sentimentos e traumas – inclusive da infância – que não conseguia pensar sobre a minha própria vida e, quando finalmente uma outra pessoa tentou se aproximar, senti tanto medo de começar de novo que entrei em crise e essa crise refletiu em TODOS os aspectos da minha vida.

Esse é o problema desse medo. Acabei colocando na balança todas as minhas escolhas e pra mim estava tudo errado. Tinha escolhido a profissão errada, tinha os amigos errados e estava fazendo tudo errado. Isso é o que o medo que paralisa faz: ele tira toda sua confiança e te manda ir pra casa dormir e esquecer tudo – consequentemente pode virar uma depressão. É dele que eu tenho medo, e dessa vez é um medo protetor, porque não quero mais viver dessa maneira.

Não vou dizer que me “curei” porque acho que ter medo não é uma doença e não tem como a gente simplesmente parar de sentir, ainda mais quando ele vem com tanta intensidade assim, mas posso dizer que hoje aprendi um pouco a avaliar que tipo de medo estou sentindo. Eu continuo muito insegura com os próximos passos da minha vida e os passos que dei, mas tento não ter mais uma visão tão crítica e dura sobre mim mesma e minhas escolhas. Claro que ainda tenho medo de me machucar de novo, principalmente no quesito relacionamentos (porque né gente, quem me conhece sabe cada coisa que aparece no meu caminho haha) mas tento ao máximo não deixar isso me paralisar mais.

Por que você deve controlar o medo que paralisa? Porque você vai perder um monte de situações importantes e que vão fazer você evoluir. Quando deixei de fazer coisas, eu deixei de aprender, justamente porque deixei de quebrar a cara. Quando deixei de ter medo, quebrei a cara do mesmo jeito, porque a vida é isso. É importantíssimo aprender que a maioria das situações da nossa vida não são controláveis e quando você parar de brigar com as coisas que você não pode controlar, você para de sofrer e para de ter medo de tentar de novo.

Óbvio que não é fácil, nenhuma lição da vida é. Mas quando você parar de ser tão crítico(a) com você mesmo e com suas escolhas, entender que se algo que você faz depende de outras coisas/pessoas/situações ela pode dar errado e que é normal, você vai começar a viver mais com mais leveza e aprender coisas mais rápido e vai conseguir controlar esse medo que paralisa.

É a nossa resistência às coisas que causa nosso sofrimento – Buda

badge_post_01

BEDA é um projeto inspirado no VEDA (Vlog Every Day April) e que significa Blog Every Day August. O que quer dizer que a ideia é fazer um post por dia –ou, convenhamos, tentar ao máximo!– durante todo o mês de agosto criado pelo grupo Rotaroots, que tem o objetivo de resgatar a época de ouro dos blogs pessoais, incentivando a produção de conteúdo criativo e autoral, sem ser clichê e principalmente, sem regras, blogando pela diversão e pelo amor.

Um comentário sobre “Sobre o medo

Deixe uma resposta