Série: Mãe de gato – Parte I

Todo mundo sabe que eu sou a #loucadosgatos e que ultimamente – felizmente – os gatos têm feito muito sucesso nas redes sociais (me marquem sempre em vídeos de gatos, obrigada). Porém, acredito que na empolgação de ter um pet, muita gente esquece dos cuidados básicos e da responsabilidade que é necessária para ter um animal, o que muitas vezes resulta em doenças, stress e até na morte do bichano =/

Resolvi então desenvolver uma série de posts (serão 3) com os principais cuidados com gatos. Meu objetivo não é ser a dona da razão, até porque não sou médica veterinária ou coisa do tipo, mas gostaria de compartilhar o que aprendi com meus próprios gatos e também o que aprendi e acompanhei sendo voluntária da Confraria dos Miados e Latidos. Espero que gostem 😉

manolo & bruce
Agarrando meus bebês: Manolo e Bruce <3

Saúde

Resolvi começar pelo tópico que considero o mais importante, afinal, sem saúde ninguém vive bem, não é? Pois imagine um bichinho que nem sequer sabe falar e explicar o que sente? Portanto, a prevenção aqui é o item mais importante.

Alimentação

racao

Você já ouviu o ditado “você é o que come”? Então, ele vale para os gatos também. Se você deseja economizar nesse item, você com certeza estará optando por uma ração de baixa qualidade, cheia de corantes e sódio, o que vai aumentar os custos com veterinário no futuro. Portanto, não economize aqui. Uma ração de boa qualidade vai prevenir muitos problemas  (com os pelos, renais – devido ao excesso de sódio e corantes etc). Prefira sempre rações indicadas como premium ou super premium. Sim, elas são mais caras, mas por outro lado, o gatinho vai precisar comer muito menos, já que ela possui as quantidades corretas de vitaminas e outras substâncias que eles precisam. Uma dica pra saber se a ração é boa é que ela precisa ser marrom (sem corantes) e ter uma leve oleosidade. Há quem ainda opte por fabricar ração caseira, mas eu não tenho conhecimento do assunto. Atualmente os meus gatos consomem a ração Natural Castrados da empresa Guabi. Ah, além da ração, manter água sempre limpa e fresca é super importante também =D

panelasVeterinário

Quando o gato é filhote, por alguns meses você deverá leva-lo com mais frequência ao veterinário, até completar todas as principais vacinas, como um bebê mesmo. Já quando o gato é adulto e já tomou todas as vacinas, uma vez ao ano seria o ideal. As vacinas anuais são para raiva e a V1 (que é um combo para várias doenças, como a rinotraqueite). Além das vacinas, é importante também manter um controle dos exames clínicos nos gatos adultos. Como meus gatos são bem gordos (juro que eles já fizeram/fazem dieta, mas não adianta haha) eles passam por controle de diabetes, feito através de um exame de sangue, como nós humanos. Vale sempre lembrar: se nós precisamos de check ups, eles também precisam.

Castração

Além do controle de doenças pelas vacinas e exames, outro cuidado essencial é a castração. Castrar seu animal é um ato de amor e cuidado. Vamos pensar pela seguinte lógica: cada gestação de um gato pode gerar em média novos 6 gatinhos ; quase nunca as pessoas tem estrutura para ter tantos animais em casa, o que resulta doações sem planejamento ou até em abandono. Enfim, não deixe o número de animais de rua crescer, castre! O procedimento é extremamente simples e indolor – feito sob sedação. Na castração dos machos, eles nem sequer precisam de pontos e as fêmeas ficam por aproximadamente 1 semana com uma roupinha cirúrgica e alguns pontinhos. Há alguns profissionais especializados em castração em filhotes bem novos e, como referência, os valores começam em uma base de R$100.

Remédios

Você também precisa tomar alguns cuidados básicos com remédios em casa. Se seus gatos tem acesso à áreas externas da casa: (jamais à rua, por favor) grama, plantas, além de conviver com outros animais – cachorros (que passeiam e rolam por aí), pode ser que acabem com pulgas ou alguma verminose. As primeiras doses de vermífugo são feitas com uma frequência maior, orientadas pelo médico veterinário (por conta do peso do animal) e normalmente por comprimidos. Já quando o gato é adulto, podemos administrar alguns chamados spot on, que são aqueles que podem ser aplicados sobre a pele (mas sempre consultem o veterinário antes de usar assim como a frequência certa para administrar em casa). Eles são melhores por não estressar o animal (só quem já deu comprimidos para um gato, sabe o sufoco). Em casa eu uso o Profender para as verminoses e apenas shampoos antipulgas para prevenir.

Espero que tenham gostado desse primeiro post, em breve volto com mais um Mãe de gato <3

2 comentários sobre “Série: Mãe de gato – Parte I

  1. Que post fooooofo, Vivi! Super de utilidade pública!
    Cheguei a ter 18 gatos (não todos de uma vez, claro!) =D Eu era pequena demais na época, tinha medo de que eles ficassem doentinhos ou coisa do gênero. :/
    Pretendo ter mais bichanos um dia (depois que eu superar o trauma que fiquei de perder o Zinho :/) e essas dicas serão valiosas pra mim! *-*
    Amei! <3

Deixe uma resposta