Quando não conseguir lutar, se renda

surrender

Você não quer pensar, não quer sentir…mas é como te mandam não pensar em um urso branco e tudo o que faz a partir daí, é pensar em um gigante, enorme e lindo urso branco.

Quanto mais você evita o envolvimento, o sentimento, mais ele vai se transformando em uma chama, daquelas que crescem e te engolem, e essa chama já te engoliu de dentro pra fora.

Não há como explicar, simplesmente está ali e tudo o que estava milimetricamente planejado já não faz mais sentido. Tudo o que você aprendeu com todas as dores e sofrimentos simplesmente passa a não fazer mais sentido. Simplesmente porque isso não tem mais importância quando ela chegou e te consumiu. Ela? Sim, a esperança.

Você luta. Porque precisa controlar. Porque precisa parar. Porque tem que se proteger. Mas até seu último fio de cabelo quer se entregar àquela sensação de conforto, harmonia e agitação. Você passa a ficar viciado no novo ritmo, das batidas do peito com as borboletas do estômago.

Você não quer pensar, não quer sentir…mas cada pequena palavra e ação te enche de pensamentos e sentimentos, mesmo que seja algo pequeno, minúsculo.

Está ficando cada vez mais difícil lutar contra isso. Você não quer, mas quer muito. Quer porque seu corpo quer, porque sua intuição diz que sim, porque tudo o que você vê aponta que é pra você se jogar e, por mais que seja loucura, por mais que seja precipitado, por mais que você possa se estrepar.. ah, que se dane, você quer se estrepar de cabeça.

Então você entende que é assim que funciona: quando você não consegue mais lutar, você simplesmente se rende, se entrega e deixa que esses sentimentos malucos te levem pra onde quer que seja.

We’ll go surrender to the night
We won’t look back at our lives
And when you sleep, i’ll be there
To kiss your lips, to breathe your air
Right or wrong, it must go on

Além dos meus próprios sentimentos, esse post nasceu de uma pitada de The Calling e a leitura do livro O lado feio do amor de Colleen Hoover

Deixe uma resposta