Antes só… do que ainda mais só

Acho que nunca parei pra escrever os motivos – não que eu precisasse – de estar solteira por tanto tempo. Claro, estou porque meu último relacionamento terminou, mas continuei parte por escolha e parte por consequência.

Eu explico: não é fácil manter um relacionamento hoje em dia. Estamos vivendo uma época de imediatismos, onde não há paciência para esperar. É o trânsito corrido e caótico, o fast food frio, as palavras não ditas e o Tinder cheio de matchs, mas sem conversa alguma.

Estou solteira não porque optei por isso, mas porque os caminhos que percorri me levaram à isso: quando eu terminei meu relacionamento, passei um longo tempo tentando me localizar no espaço x tempo novamente. Foram meses de terapia, aprendendo a fazer novas amizades e conhecendo novamente lugares que nunca tinha ido com a minha própria companhia.

Quando decidi que queria tentar novamente, encontrei muitas pessoas boas mas também muitas pessoas mais confusas do que eu estava quando fiquei solteira. Descobri que agora se brinca de quem se faz mais de difícil: se responder prontamente, você é o trouxa disponível. A regra é que a gente tem que responder exatamente no mesmo tempo que a pessoa leva pra te procurar, pra mostrar superioridade. WHAT? Pois é. Relacionamento agora virou competição.

Das pessoas que conheci nesses quase 4 anos, muitas eu gostei mas não tinha aquela vontade de levar pra frente. Uma pena, mas acontece. Com outras, eu tinha até vontade demais, mas a pessoa participava do joguinho da falta de interesse ou simplesmente não estava na mesma vibe. Uma pena, mas acontece também. Algumas também faltaram com a verdade, então prefiro esquecer mesmo.

Enfim, aí muitas pessoas me dizem: “Nossa, mas você é tão ˜insira aqui uma lista de adjetivos˜, não namora porque não quer”. Eu digo: não, é totalmente o oposto.

Eu sempre gostei de namorar. Não gosto dessa história de pular de galho em galho, sem um abraço pra dividir e uma história pra construir, mas eu cansei de encontrar pessoas e ainda assim me sentir só. Pois é, ser solteiro não quer dizer estar sozinho, agora estar com alguém só porque você não quer ficar solteiro, que talvez não te preencha, não te desafie, não te procure, não demonstre interesse e não mexa com todos os seus sentidos… isso sim é estar só.

Estar não é gostoso. É tão ruim que dói até os ossos. É não poder confiar em alguém. É não sentir nada e, quando sente, é algo ruim. Estar solteiro, pelo contrário, pode ser uma experiência tão rica quanto estar namorando/casado.

Talvez, com o tempo, eu tenha sim ficado mais criteriosa e até exigente, mas acho que quando a gente cresce e vai evoluindo, acaba assim mesmo. Não queremos mais experiências superficiais e nocivas. A gente aprende que estar solteiro é conviver com você mesmo sem que nada te falte. E que estar com outra pessoa é um complemento e não mais uma necessidade.

É ótimo ter alguém pra dividir o jantar, a conta e a cama, mas jantar e dormir sozinho também é bacana. Estar e amar estar com você mesmo, abre um grande horizonte que jamais vai te permitir se sentir só novamente, então estar solteiro é só uma condição passageira.

 

Deixe uma resposta