Saudade

Saudade

Eu não gostava de você. Costumava nem notar sua presença. Éramos meros estranhos, unidos apenas por um mundo virtual. Só que a vida acontece, merdas acontecem. Coisas que parecem ruins acontecem. Aconteceram pra mim. Aconteceram pra você. Foi assim que você chegou.

No início eu não acreditava. Você não tinha motivos pra demonstrar interesse, só que estava decidido. Até hoje eu não sei se foi apenas um jogo, um desafio pessoal ou se foi tão intenso quanto pareceu ser. Você foi se achegando.

Eu sou teimosa. Sou resistente. Tenho autoestima oscilante. Estava um caco. Você estava confuso. Só não tanto quanto eu. Em tempos de crise hídrica acredito que minhas lágrimas dariam um bom balde. Sem exageros. Acho que você foi a pessoa que mais me viu chorar. De todas. De todos os tempos. Você permaneceu.

Eu não te queria. Já disse que sou teimosa? Não era aquilo. Não podia ser. Não consigo. É incrível como algumas vezes ficamos mais fortes ao ajudar alguém mais fraco, não é? De repente seu problema não existia mais. Seu objetivo era me consertar. Era fazer com que eu vivesse. Com que eu te amasse.

Eu sou teimosa. Mas tenho o coração mole. Tenho o coração mole quando as pessoas conquistam minha confiança. Não sei que curso você fez, mas em pouquíssimo tempo aprendeu a me ler como ninguém – ou algo do tipo. Na verdade, ainda não sei. Nem vou saber.

De nada, eu fui pra tudo. Era muito intenso. Era muito “amor”. Ainda não sei nomear o que foi. Foi forte e foi tudo o que eu podia dar. Eu daria mais, eu faria mais. Parei de teimar. Eu disse o que você queria ouvir e disse olhando nos seus olhos.

Auto-estima. Conforto. Segurança. Confiança. Ânimo. Excitação. Tesão. Paixão. Eu senti tudo isso. Eu era tudo isso. Eu virei tudo isso.

Tenho minhas dúvidas se um dia vou sentir isso de novo.

Alguns infinitos são menores que outros

Né?

Clima estranho. Tem algo errado. Não é teimosia. Tem algum problema. Preciso descobrir o que é. Não é isso. Desculpa. Não é isso. Desculpa.

Sabe porque eu tive tanto problema em aceitar? Porque não se faz um furacão da vida de uma pessoa e depois vai embora. Quer dizer, você podia não gostar mais de mim. Eu entenderia. Você podia não querer me tocar mais. Eu entenderia. Mas você não podia me deixar sem nada. Você não podia tirar o que eu não tinha. Você me deu muito mas tirou o dobro, porque você me tratou como uma estranha. Como uma desconhecida. Como se tudo apenas tivesse durado um dia.

Desprezo. Insegurança. Tristeza. Depressão. Baixa autoestima. Medo. Rejeição. Rejeição. Rejeição.

Só descobri tempos depois que tenho problema com a rejeição. Aliás, tenho um problema em me sentir rejeitada. Isso acaba comigo. Isso veio desde o meu pai. Você não sabia disso, né? Meu pai era alcoólatra. Meu pai nunca procurou um tratamento. Isso nem era comum na época. Ele não queria parar de beber. Eu não lembro do meu pai, mas agora sei que, lá no fundinho, ficou um sentimento triste de: rejeição. Afinal, eu não valia a pena?

Sabe o tempo? Ele passa. Ele é sábio. Ele faz a gente aprender. Aprendi que valho mais que isso. Só que aprendi também que viver na insegurança é uma merda. Eu tento todos os dias enterrar você. só que meu cérebro não para de mandar alertas diários de que eu podia ter aproveitado mais… um pouquinho mais… ter feito aquele dia durar um pouquinho mais, sabe? Entendo que você foi um bosta comigo. Só não posso ignorar que aprendi coisas. Estou aprendendo coisas.

Acho que isso é bom e também uma merda.

Segundo a Isabela Freitas, autora do Não se apega, não, a mulher terá alguns tipos de amores e o que ela mais vai amar é o cafajeste. Não é amor de pica. Não é falta de vergonha na cara. É porque ele vai te ensinar muitas coisas. É porque ele vai te ensinar a se amar e vai ser na porrada. Vai ser te levando até o chão.

E aí vai ficar a saudade. Você vai saber que pode mais, que quer mais, que vai encontrar mais. Ainda assim você vai sentir saudade. De todos aqueles pequenos momentos que você estava aprendendo o que era viver. Hoje eu entendi o que você falou. Nem consigo mais ter raiva. Você tinha razão e estava certo – em partes, claro.

Só que hoje eu acordei assim.

Hoje eu sei. Eu ainda estou aprendendo, mas eu sei. Ainda penso naqueles dias que eu podia ter feito durar um pouquinho mais, sabe? Eu sei que eles nunca existirão novamente porque vou ter melhores quando chegar a hora. Sabe quando você disse pra usar a experiência no próximo relacionamento e eu dei um chilique? Agora eu entendi. Agora eu aprendi. Farei isso quando chegar a hora.

Mas hoje eu acordei assim.

Só saudade.

2 comentários sobre “Saudade

Deixe uma resposta