Razões para mudar

Visão do avião

Mudar
1. fazer ou sofrer modificação; modificar(-se), alterar(-se);
2. deslocar ou transferir(-se) para outro local;
3. dar outra direção a; afastar, desviar;
4. arrumar de outro modo; dispor em outra ordem;
5. apresentar(-se) de modo diferente, física ou moralmente; alterar(-se), modificar(-se);
6. trocar por outro; substituir, variar;
7. deixar (uma coisa por outra);
8. deixar (o lugar onde se vive por outro).

Mudar é uma das coisas que mais vejo as pessoas dizendo que querem fazer, seja qual for o sentido: mudar de vida, de trabalho, de casa, cidade, hábitos ou apenas mudar. Só que mudar não é fácil. Se fosse tão fácil quanto foi pesquisar seu significado no Google, acredito que muitas pessoas – inclusive eu – estariam um pouco mais felizes e satisfeitas.

Claro que muitos fatores devem ser avaliados antes de uma mudança, você não vai simplesmente mudar de trabalho porque acha que deve, sem se preparar para tal, por exemplo. Mas é importantíssimo se observar e perceber qual é o nosso limite em determinadas situações e quando é hora de parar tudo e fazer algo de outro jeito. Aqui eu listei alguns pontos que, por experiência própria, me fizeram levantar o bumbum da cadeira e mudar.

Quando algo faz mal para a saúde

Esse é o item mais importante da lista. Quando você insiste em um comportamento, atitude, situação e essa começa a fazer mal pra sua saúde, é hora de parar e é urgente. Se até seu corpo está rejeitando a situação, não vale a pena insistir e falo por experiência própria. Sou uma pessoa extremamente ansiosa e costumo guardar sentimentos e frustrações. Isso é péssimo. Até hoje tenho problemas crônicos por isso (gastrite, refluxo, alergias etc.). Só estou conseguindo mudar um pouco com ajuda psicológica, já que é difícil pra mim simplesmente parar de me preocupar tanto – seja com o que for, mas vale a pena.

Quando você foca mais no passado que no presente

Ai, esse tópico é tão “sad but true” pra mim. Sou uma pessoa que analiso tudo e analiso demais. Se algo aconteceu comigo, seja bom ou ruim, vou ficar repassando na cabeça até a fonte esgotar, que significa eu não querer mais saber ou ficar muito mal. Difícil foi perceber que eu estava deixando o passado controlar minha vida, e mais difícil ainda foi perceber que nesse meio tempo eu “perdi” praticamente 2 anos da minha vida: me martirizando por coisas que eu não podia (e nem queria) mudar e tentando entender onde eu tinha errado e acertado. Sabe o que eu descobri? Que não existe certo e errado. A vida aconteceu e coisas aconteceram, assim como acontecem pra todo mundo. É claro que é importante analisar as situações que passamos e tirar alguma lição delas, mas é preciso evitar passar mais tempo lá do que no presente. Siga em frente assim que der.

Quando você se sabota

Esse item complementa o item anterior, afinal, quando você vive para o passado, você se sabota. Deixar de fazer coisas por você, também. Deixar que a sua insegurança e o medo de fazer coisas novas domine sua vida, idem. Como sempre digo: falar é mais fácil do que fazer. Só que antes de dizer que a sua vida está uma droga, pare para pensar se não é você mesmo que está deixando ela assim. Algumas coisas simplesmente não vão se ajeitar sozinhas, você vai precisar dar um tapa na própria cara, levantar e ir fazer. Se dê a oportunidade de fazer as coisas de um jeito diferente, de aprender coisas novas que você sempre quis fazer. É libertador, eu garanto.

Quando as coisas perdem o significado

Sabe quando você insiste, insiste, insiste em uma coisa e no fim nem sabe porque gastou tanto tempo nisso? Pois é, algumas coisas na vida são assim mesmo e é normal. A dica é: ao invés de insistir em algo só porque “deu muito trabalho”, pense que você no mínimo aprendeu alguma coisa e por fim, deixe passar, siga para a próxima lição. Desapegue das coisas que não te completam como pessoa e vá fazer algo que te deixe realmente feliz.

Quando você quiser

Bom, tudo o que falei agora foram itens baseados em situações muito pontuais que aconteceram comigo e, em sua maioria, coisas “ruins”. Mas como a vida não tem script e algumas verdades não são absolutas, às vezes você simplesmente vai sentir vontade de mudar porque quer mudar, e tudo bem também. Pode ser uma mudança de opinião com base nas informações que você parou para pesquisar, um novo corte de cabelo, um novo restaurante, algo novo que decidiu fazer ou sabe aquela banda que você odiava e passou a amar? Não? Eu sim, me julguem =P

Deixe uma resposta